Arquivos do Blog

Projeto quer enviar Antigo Testamento à Lua

O Google Lunar X PRIZE é um projeto que existe desde 2007. São 20 milhões de dólares oferecidos em prêmios para quem consiga enviar um foguete que pouse com segurança na superfície da Lua, ande por pelo menos 500 metros e transmita o evento pela internet.

“Mais da metade da população do mundo nunca teve a oportunidade de ver uma transmissão ao vivo da superfície lunar”, dizem os organizadores. Até agora nenhuma empresa conseguiu realizar o feito, mas vários programas diferentes estão em andamento e devem ser lançados até o final de 2015.

Entre os muitos projetos inscritos está o de uma equipe de Israel que deseja enviar junto com o foguete uma cópia da Torá para a Lua. A Torá inclui os cinco primeiros livros do Antigo Testamento, sendo a base da fé judaica.

Não seria a primeira vez que um texto religioso é enviado para o espaço. Na véspera de Natal, em 1968 a NASA provocou indignação entre os ateus, quando os astronautas da espaçonave Apollo 8 leram o Livro de Gênesis enquanto orbitavam ao redor da Lua. Três anos depois, os astronautas Apollo 15 deixaram uma cópia da Bíblia em solo lunar.

O projeto conhecido como Torá na Lua está sediado na capital Tel Aviv. Uma sonda projetada pelo Laboratório SpaceIL, da Tel Aviv University estava projetada, mas seu envio foi cancelado. A opção agora é fazer uma parceria com a equipe lunar de Barcelona, também inscrita no Lunar Prize, mas ainda não houve confirmação sobre um acordo.

Além de fazer o exemplar da Torá chegar até a Lua, outro grande obstáculo é criar uma cápsula que o faça resistir ao clima extremo. À luz do sol na superfície lunar pode chegar a um escaldante 123° de calor, mas à noite ele chega a 173° negativos. As primeiras cápsulas criadas pelo Spacell não suportaram essa variação de temperatura. O custo aproximado do projeto atual é 240 mil dólares, que serão arrecadados através de doações pela internet.

A perspectiva de criação de uma “cápsula do tempo” da vida na Terra não é exatamente novidade. O objetivo é preservar o legado da humanidade caso ocorra uma catástrofe global, como uma guerra nuclear ou a colisão com um asteroide.

O pergaminho sagrado judaico não seria a única obra do tipo sendo enviada relata a revista New Scientist. Há projetos similares que incluem os Vedas (escrituras hindus) e o I-Ching (antiga obra filosófica chinesa).

“Este é um projeto incrível”, disse o fundador do grupo judeu, Paul Aouizerate. “Estes três textos estão entre os documentos mais antigos da Terra, escritos mais de 3.000 anos atrás”.  Em última instância, o objetivo é garantir que uma parte significativa da cultura da Terra permaneça na Lua como maneira de preservá-los, como uma “cápsula do tempo”.

Na verdade, duas sondas Voyager da NASA, que já estão no espaço contém algo chamado de “Registro de Ouro”. São registros da vida da Terra e da cultura humana, incluindo sons da natureza a imagens de seres humanos. Com informações Daily Mail e News Cientist.

Fonte:GospelPrime

“Cristo Suburbano”: Documentário apresenta panorama do punk rock cristão no Brasil

O Projeto Cristorama acaba de lançar um documentário com um panorama da cena do punk com temática cristã no Brasil. Intitulado “Cristo Suburbano – Documentário Punk Underground Cristão”, o filme apresenta bandas que apesar de sua fé e letras, não perdem em momento algum sua contestação, acidez e criatividade extrema.

No exterior, o gênero é representado por nomes como Altar Boys, The Predators, 100% Proff, Nobody Special, One Bad Pig, Lust Control e The Lead. Ao apresentar a cena brasileira do gênero, o documentário apresenta bandas de todo o Brasil, como Ressurreição (SP), Crush Hell Machine (CE), Dexin (SP), New Life Tones (SP), Thimoteos (SP) (atual No More Zombies) , Soberano (SP), Romanos Se7e (SP), Living Fire (SP), F.M.I. (Fabuloso Mundo de Ilusões) (PE) e CxFxI (RJ).

Segundo o site Whiplash, o filme apresenta um grande leque de variações do gênero punk, que vai desde o mais clássico, seguindo pelo hardcore, hardcore melódico, emocore, crossover e até thrash metal.

“Cristo Suburbano” conta ainda com o depoimento do pastor Batista da banda Antidemon, uma das representantes mais conhecidas do gênero no Brasil, e com a citação de outras bandas da cena, como Theosophy, Ruptura e Radioativos.

Assista ao documentário:

Fonte:Gospel+

Projeto “cura gay” é reapresentado e volta para a Comissão de Direitos Humanos

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados voltou a discutir o projeto de lei que visa derrubar a resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) a respeito do tratamento de homossexuais.

Chamado pela mídia de “cura gay” o polêmico projeto foi reapresentado pelo deputado pastor Eurico (PSB-PE), ele acredita que a Resolução nº 1, de 22 de março de 1999 do CFP está “eivada de equívocos e atitudes preconceituosas”.

Na fala do parlamentar, o artigo que proíbe o psicólogo de atender um homossexual que se queixe de sua orientação sexual está passando “dos seus limites de competência legislativa”.

A sessão da CDHM desta quarta-feira (14) já iria escolher um relator para o projeto que em julho do ano passado chegou a passar pela Comissão, mas devido a pressão dos ativistas do movimento gay, de deputados e do próprio CFP acabou sendo arquivado.

Ainda no ano passado, quando o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) estava como presidente da CDHM, o projeto foi analisado e aprovado, mas uma votação simbólica no plenário da Câmara fez com que o PDC 234/2011, de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO) saísse de tramitação.

Com o arquivamento da proposta, o regimento interno da Câmara permite que o projeto seja reapresentado novamente no ano seguinte, isso em 2014, se fosse votada e derrubada pelos votos no plenário só seria possível reapresentar o texto em 2015. Com informações Estado de Minas

Fonte:GospelPrime

Após ter projeto classificado como inconstitucional, vereadora evangélica afirma estar sendo vítima de “crentofobia”

Após propor um projeto de lei com o objetivo de premiar, na Câmara de Vereadores de Curitiba, pessoas que prestarem serviços à Igreja Evangélica, a vereador a Carla Pimentel (PSC) afirmou que está sendo vítima de discriminação religiosa, que ela denominou como “crentofobia”.

A crítica da vereadora vem do fato de seu projeto ter sido considerado inconstitucional. Porém, ela afirma acreditar que há um erro de interpretação por parte de muita gente sobre a garantia do Estado Laico pela Constituição.

– Já existe o mesmo para os católicos, e não vejo por que não ocupar esse espaço. Queremos democracia – se defendeu a vereadora, em entrevista ao jornal Gazeta do Povo.

– Existe uma grande distorção, as pessoas pensam que é um estado ateu. Quando falamos no Estado laico, não podemos entrar numa ‘crentofobia’. O Brasil é um país majoritariamente cristão. Muito da minha atuação é vítima deste preconceito – ressaltou Pimentel.

Essa não é a primeira vez que a vereadora propõe um projeto que é considerado inconstitucional por seus colegas da Câmara, devido ao seu teor religioso. Recentemente ela havia proposto conceder ao pastor Sila Malafaia, líder da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, o título de “Cidadão Honorário de Curitiba”. Proposta que também foi vetada, pois, segundo os vereadores, Malafaia não poderia ser homenageado pela cidade devido às suas ideias conservadoras, que classificaram como homofóbicas.

Por Dan Martins | Fonte:Gospel+

Vereadores aprovam projeto que autoriza o ensino da Bíblia nas escolas

De acordo com o blog “Guarda-Sol” do Diário Catarinense, a Câmara de Vereadores de Itapema (SC) aprovou um projeto de lei que sugere o uso da Bíblia nas aulas de história.

A proposta foi apresentada pelo vereador Mouzatt Barreto (DEM), que é presbítero da Assembleia de Deus, e aprovada por unanimidade pelos 13 vereadores.

Mouzzat garante que seu projeto não fere a Constituição brasileira e que a inclusão da Bíblia nas aulas de história não irá constranger os alunos de outras religiões.

No blog escrito pela jornalista Dagmara Spautz as reações dos comentaristas são bem diferentes. Alguns dizem que se trata de um retrocesso, pois a Bíblia não deve ser usada como livro de registro histórico e que o Estado deve ser laico.

Outros comemoram a decisão por conta dos valores ensinados no Livro Sagrado. Há também leitores que parabenizaram a proposta, mas disseram que os vereadores precisam ser os primeiros a darem bom exemplo.

No site da Câmara de Itapema não é possível localizar o projeto para saber se as escolas municipais poderão escolher incluir a Bíblia no ensino de história ou se o uso ficará a cargo dos professores.

A lei segue para o prefeito Rodrigo Costa (PSDB) que pode sancioná-la ou vetá-la.

Fonte:GospelPrime

Jean Wyllys apresenta projeto para legalizar o uso da maconha; Marisa Lobo critica: “Vejo interesse político por trás dessa disfarçada descriminalização”

Na última quarta feira, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) apresentou um projeto de lei com o objetivo de legalizar a produção e o uso da maconha.

Segundo seu site oficial, o texto de sua proposta tem entre seus objetivos “regular a produção e comercialização da maconha e seus derivados, tornando a Cannabis uma droga lícita com uma regulação e restrições semelhantes às do álcool e o tabaco” e “descriminalizar a posse de qualquer tipo de drogas, inclusive as ilícitas, para consumo pessoal, assim como auto cultivo”.

– A maconha (como as outras drogas atualmente ilícitas) é importada, plantada, produzida, industrializada, vendida e comprada de forma ilegal sem que o Estado consiga, em momento algum, que isso deixe de acontecer, como não conseguiram as legislações contra o álcool, nos EUA, que o uísque deixasse de ser produzido e vendido, mas, ao colocá-lo na ilegalidade, fomentaram a criação de um circuito de violência – argumenta o deputado, ao defender a liberação do uso da droga.

Wyllys continua sua defesa à regulamentação da maconha afirmando que o circuito de violência criado em torno da proibição do álcool nos Estados Unidos “só foi superado com a legalização, admitido o fracasso absoluto da mesma política que depois foi ressuscitada para seu uso com outras drogas semelhantes ao álcool, que foram convenientemente cercadas de pânico moral e estigmatização, em muitos casos por motivos raciais ou políticos”.

O deputado defende ainda que criminosos que estejam presos por crimes relacionados ao comércio o consumo da droga recebam anistia e que aqueles que hoje atuam como traficantes da droga sejam “retirados da clandestinidade” e possam ser inseridos em um mercado legal da substância.

Contra a liberação da maconha

Conhecida como uma ferrenha opositora à legalização da maconha e de outras drogas, a psicóloga Marisa Lobo falou recentemente sobre o porquê é contra a liberação da droga. Afirmando que a maconha faz mal à saúde sim, e não é droga inocente como alguns tentam defender, Marisa Lobo ressalta que além e causar dependência a maconha é uma “porta de entrada” para outras drogas ilícitas.

– O que vemos hoje, não é uma preocupação honesta com a população que usa drogas ou com a violência gerada por ela, e sim uma preocupação egoísta com o vício pessoal de muitos e o interesse político por trás dessa disfarçada descriminalização – afirma a psicóloga.

A psicóloga comenta ainda sobre o uso da legalidade do cigarro e do álcool como justificativas para a liberação da maconha, ressaltando se tratar de substâncias que também produzem grandes prejuízos para o indivíduo que as consome e para a sociedade.

– O cigarro e o álcool são evidências que a legalização da droga não funciona. Hoje estamos encurralados com o vício do álcool. Financeiramente, nosso país está vivendo as consequências devastadoras desse vício. Fumantes custam 338 milhões somente no tratamento do Sistema Único de Saúde (SUS), gastos com a consequência do uso e abuso do cigarro, fora mortes, prevenção, etc – explica.

Sobre a justificativa de que trazer a maconha à legalidade acabaria com o tráfico, Marisa Lobo explica que “o tráfico não depende somente da Maconha para sobreviver” e que “liberar a Maconha não abalará o tráfico, todavia, aumentará o tráfico e incentivará o uso de outras drogas mais pesadas”.

Justificativas

Após a repercussão de seu projeto, Jean Wyllys publicou em seu site um texto no qual afirma ser contra a liberação da maconha, e que seu projeto foi interpretado de forma incorreta pela imprensa, que deu “atenção primária à anistia de presos por tráfico de maconha”, criando a imagem de que a função do projeto é a de defender bandidos ou de esvaziar cadeias.

Usando como justificativa principal a violência motivada pelo tráfico de drogas, o deputado afirma que o objetivo de seu projeto é interromper o fortalecimento do crime organizado, visto que na ilegalidade os traficantes “experimentam a verdadeira reserva de mercado”.

– Seus agentes públicos, responsáveis pela manutenção da tranquilidade de seu funcionamento, são muito bem pagos. Assim o Estado, informalmente, já pratica a liberação e o controle sobre o comércio de drogas – afirma Wyllys, explicando que, através da corrupção, o Estado já liberou a venda da droga.

O comércio de drogas, independente de qual for, é sim liberado no Brasil, e isto ninguém pode negar. A criminalização da pobreza e a formação dos guetos marginalizados é também outro fato inconteste – completa o deputado, que defende a ideia de que as pessoas presas ou mortas por envolvimento com o tráfico são, em geral, “pobres, favelados, e na maioria dos casos jovens e negros”, que por não terem acesso à educação e serviços públicos de qualidade, vendo assim o tráfico como sua “única forma de mobilidade social”.

– O foco aqui é tirar o jovem negro e pobre, o mesmo que tem morre quase três vezes mais que o jovem branco pobre do estigma de ser criminoso – afirma.

Afirmando que o tema é sempre tratado com preconceito, o deputado afirma ainda que a imprensa deveria dar “peso maior que o que realmente importa no projeto, que é a formação de uma política de segurança pública que não penalize os mais pobres como forma de esconder dos mais ricos a baixa eficiência de seu trabalho”.

Por Dan Martins  |Fonte: Gospel+

CONIME declara apoio ao projeto “Adoração 24/7″

O Conselho de Ministros Evangélicos (CONIME) do Rio Grande do Sul decidiu apoiar o projeto “Adoração 24/7″, um revezamento de 24 horas de oração por dia durante os 7 dias da semana, idealizado pelo Ministério Engel de Santa Maria.

O pastor Edson Brow, presidente do CONIME, fez o anúncio de apoio ao projeto durante reunião com o pastor Joel Engel, presidente do Ministério Engel. Brow afirma que o projeto é muito importante para o crescimento da igreja no Estado.

“Nós queremos incorporar nas igrejas do Rio Grande do Sul o projeto “Adoração 24/7″ em conjunto com o Ministério Engel e o conselho de pastores. Então uma vez por mês o conselho de pastores estará vindo da região da grande Porto Alegre para estar participando desta corrente”, disse Brow.

Joel Engel tem idealizado uma série de projetos para despertar a igreja gaúcha.  Engel acredita que desde a tragédia na boate Kiss existe uma porta aberta para a igreja. “Um dos principais objetivos do projeto é promover avivamento nas igrejas por meio da adoração contínua”, diz Engel.

Além de declarar apoio ao projeto do Ministério Engel, Brow também nomeou Joel Engel como membro do conselho, no qual irá assumir um cargo na diretoria executiva em nível estadual.

Fonte:GospelPrime

Igreja Batista evangeliza crianças durante o Carnaval em SP

Igreja Batista evangeliza crianças durante o Carnaval em SP

A Igreja Batista Ebenézer de São Paulo enviou cerca de 70 voluntários para a cidade de Nova Campina, interior do estado, para evangelizar crianças durante o feriado de Carnaval.

O projeto com o nome de “IDE” é realizado há 16 anos, sempre passando por cidades novas e contando com o apoio das prefeituras. Nos dias 9, 10 e 11 de fevereiro o grupo esteve no Ginásio Municipal Sebastião Vieira de Oliveira, na praça central da cidade, reunido cerca de 480 pessoas.

Quem acompanhou o trabalho pode ver apresentações musicais e teatrais sobre a história de Jesus. “Nós viajamos todos os anos para cidades que não conhecemos com o objetivo de levar a palavra de Deus, é muito recompensador ver as crianças aprendendo com os nossos ensinamentos”, diz Leandro Machado, um dos organizadores do IDE.

A realização do evento chamou a atenção da mídia local e a TV TEM, retransmissora da Globo na região, chegou a fazer uma reportagem sobre o trabalho evangelístico.

Assista:

Fonte:GospelPrime

Novo relator do PLC 122 quer aprovar o projeto ainda em 2013

Novo relator do PLC 122 quer aprovar o projeto ainda em 2013

O senador Paulo Paim (PT-RS) citou o discurso do presidente Barack Obama para mostrar seu desejo de aprovar o PLC 122/2006 ainda em 2013 e aproveitou para criticar lideranças religiosas que são contra o projeto.

“No Brasil, criou-se uma falsa polêmica entre liberdade de orientação sexual e liberdade religiosa. Isso não tem fundamento e não interessa a ninguém”, disse o senador gaúcho.

Paim assumiu a relatoria do projeto depois que a senadora Marta Suplicy foi nomeada como Ministra da Cultura. ”Vou trabalhar muito por esse projeto. 2013 vai ser o ano da aprovação do PLC 122″, garantiu o deputado que por dois anos presidiu a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

O PLC 122 já gerou muitas polêmicas em Brasília, dividindo os parlamentares em pró e contra, isto porque o texto do projeto criminaliza algumas atitudes que os críticos consideram como privilégios para os homossexuais.

Outro ponto que gera muito debate se refere ao posicionamento contrário às relações homoafetivas, o que muitos acreditam que estaria ferindo a liberdade religiosa, uma vez que a Bíblia condena a homossexualidade.

Parlamentares das bancadas Católica e Evangélica somam forças para impedir que o PLC 122 seja aprovado.

Fonte:GospelPrime

Força Jovem presta apoio no incêndio de Santa Maria

Força Jovem presta apoio no incêndio de Santa Maria

Durante todo o domingo voluntários da Força Jovem do Rio Grande do Sul estiveram trabalhando em Santa Maria prestando apoio não só aos parentes e amigos das vítimas do incêndio da boate Kiss, como aos bombeiros que trabalhavam no resgate dos corpos.

Mais de 150 pessoas se disponibilizaram a participar desse projeto humanitário da Igreja Universal do Reino de Deus que na cidade é coordenado pelo pastor Carlos Cucato.

“Desde que soubemos da tragédia enviamos máscaras, luvas descartáveis e cerca de 150 voluntários do grupo Força Jovem, do Agente da Comunidade e Godllywood’, disse.

Ao longo do dia eles também enviaram alimento e água para as pessoas que trabalhavam no resgate e para os que estavam fazendo o reconhecimento dos corpos.

Na madrugada do domingo, por volta das 2h30 o teto da boate pegou fogo causando tumulto no local onde mais de mil jovens estavam participando da festa promovida por universitários. A falta de uma saída de emergência, além de outras negligências que serão apontadas pela perícia, levou 233 jovens à morte.

“Peço que incluam os familiares daqueles que sofreram a tragédia em suas orações. Já estamos ajudando os bombeiros e há no Rio Grande do Sul um mutirão para doação de sangue e arrecadação de água. Quanto mais apoio melhor”, disse o pastor lembrando dos jovens que estão hospitalizados.

Fonte:GospelPrime