Arquivos do Blog

Pastor é preso por protestar contra o aborto; Cartazes diziam que prática é assassinato de crianças

Um pastor que protestava contra o aborto num cruzamento foi preso por segurar um cartaz que dizia que a prática mata crianças. Stephen Joiner foi detido por quatro horas por supostamente ter desobedecido um policial que ordenou que ele deixasse o local.

Joiner é líder da Igreja do Nazareno, na cidade de Columbus, Mississippi, e agora é beneficiário de uma ação por conta de sua prisão, considerada abusiva.

O Conselho de Liberdade entrou com um processo de direitos civis contra a prefeitura da cidade e o capitão da Polícia, Frederick Shelton, em nome do pastor.

Durante a audiência do processo, o capitão Shelton acusou o pastor de violar leis municipais que regulamentam manifestações em grupo, porém, a defesa argumentou que o pastor estava sozinho no momento de sua prisão.

“A Primeira Emenda protege o direito dos cidadãos de se expressar sobre as vias públicas livres de interferência do governo”, disse Mat Staver, fundador e presidente do Conselho de Liberdade. “As ações da cidade foram totalmente injustificadas e são uma afronta aos direitos fundamentais de todos os americanos. Mesmo o discurso impopular é protegido quando pacificamente expressa, como o pastor Joiner fez aqui”, acrescentou Staver.

Fonte:Gospel+

Após tentar suicídio na prisão, goleiro Bruno afirma: “Deus não permitiu que eu me matasse”

Preso em Contagem (MG), onde cumpre pena de 22 anos de prisão pelo assassinato da modelo Eliza Samúdio, o goleiro Bruno Fernandes revelou recentemente que tentou se matar em sua cela. Em entrevista à revista Placar, Bruno afirma que só está vivo porque Deus não permitiu que sua tentativa de suicídio se concretizasse.

Durante a entrevista, em que também falou que pretende voltar a atuar no futebol, ele contou como foi que tentou se matar.

“Amarrei o lençol na ventana, que é alta, coloquei no pescoço e saltei. Mas a corda arrebentou e eu caí no chão. Olhei para o lado e tinha uma bíblia, que um policial tinha me dado ainda no Rio de Janeiro. Foi Deus que não permitiu que eu me matasse”, relatou Bruno.

O ex-goleiro do Flamengo se considera evangélico e recebeu a Bíblia em questão de uma policial evangélica quando estava sendo transferido para Contagem em Minas Gerais, e desde então se manteve sempre junto a ela. Durante o julgamento, que o condenou a 22 anos de reclusão, o goleiro se apegou a essa Bíblia em meio as lágrimas.

Bruno já tinha assumido anteriormente para a Rede Record que havia tentado o suicídio. “Primeiramente, pedi perdão a Deus… Eu peguei o lençol e amarrei o lençol na janela, e me joguei. Eu fiquei pendurado ali mais ou menos, uns dez a quinze segundos e arrebentou a corda. Aí eu caí, peguei uma Bíblia, e poxa… ‘Eu não posso fazer isso. Como é que eu posso dizer que sou temente a Deus fazendo uma coisa dessa?’”, disse ele na ocasião.

Por Dan Martins e Renato Cavallera | Fonte:Gospel+

Terroristas muçulmanos atacam igreja a tiros, matando 6 fiéis e ferindo outros 21

Um novo ataque armado a uma igreja matou 6 fiéis e feriu outros 21 na cidade de Mombasa, no Quênia, na manhã do último dia 23 de março, durante o culto matinal dominical. Os terroristas entraram na Igreja Pentecostal Alegria em Jesus pela porta dos fundos, após matar um obreiro de 60 anos que fazia a vigilância.

Os sobreviventes afirmaram que os homens armados eram “três ou quatro” e adeptos do islamismo: “É doloroso que alguém pode entrar na igreja e disparar, matando pessoas, incluindo crianças. Isto é totalmente inaceitável e a comunidade muçulmana tem que fazer alguma coisa para dar um fim nisso”, afirmou o bispo Benson Muthama, dirigente da Igreja Pentecostal Atos.

As igrejas cristãs da cidade estão enfrentando um aumento de ameaças e ataques muçulmanos. O bispo Benson Muhtama afirmou que aparentemente os radicais islâmicos estão dando sinais de que não vão mais tolerar cristãos na região.

Na última semana, duas pessoas foram presas na cidade dirigindo um carro-bomba após uma denúncia anônima. Apesar da prisão, o alvo dos terroristas não foi identificado.

Cristãos e muçulmanos conviviam pacificamente no Quênia nos últimos anos. Quando o país decidiu enviar tropas à Somália para ajudar a combater os militantes do grupo terrorista islâmico Al-Shabab, os ataques a cristãos voltaram a acontecer.

Por Tiago Chagas | Fonte:Gospel+

No Egito, família inteira é condenada à prisão por se converter ao cristianismo

Uma família completa foi sentenciada a 15 anos de prisão por se converter ao cristianismo na cidade egípcia de El Beni Suef, 115 km ao sul do Cairo. Nadia Mohamed Ali Mohab e seus filhos, Maged, Sherif, Amira, Amir, e Nancy Ahmed Mohamed Abdel-Wahab. As outras sete outras pessoas envolvidas no caso foram condenadas a cinco anos de prisão.

Nadia Mohamed Ali, uma mãe de oito filhos, nasceu cristã, mas se converteu ao Islã para se casar com seu marido Mustafa Mohamed Abdel-Wahab. Depois de sua morte, em 1991, ela decidiu voltar à sua religião original com seus filhos, segundo informações do Acontecer Cristiano.

O caso da família de Nadia começou em 2004, quando, após a conversão, ela e seus filhos decidiram mudar seus nomes muçulmanos em seus cartões de identidade com seu nome e cidade de mudança de residência. Para fazer isso, tiveram a ajuda de sete funcionários do Escritório de Registro Civil.

Em 2006, um de seus filhos foi preso pela polícia que, suspeita pelos documentos, levou o jovem que havia mudado seu nome para Bishoy Malak Abdel-Massih. Naquela época os policiais o interrogaram por horas até que ele confessou sua conversão ao cristianismo. Os juízes decidiram então prender a mãe e todos os seus filhos, além dos sete funcionários do escritório de registro civil.

A lei islâmica, Sharia, é a base da nova Constituição egípcia, o que torna punível com a pena de morte a apostasia. Porém os juízes afirmam terem usado de “benevolência” para condenar a família apenas à prisão.

Fonte:Gospel+

Convertido, Carlinhos Cachoeira deixa a prisão e se casa em cerimônia realizada por pastor evangélico

O bicheiro Carlinhos Cachoeira, um dos principais investigados pela Operação Monte Carlo, encabeçada pela Polícia Federal, casou-se na última sexta-feira, 28/12, numa cerimônia evangélica, realizada por um pastor da Igreja Evangélica Videira.

A noiva, Andressa Mendonça, conheceu Cachoeira em 2009, durante um jantar promovido por seu ex-marido, o senador Wilder Morais (DEM-GO). Escutas da investigação feita pela PF dão conta que o relacionamento entre Andressa e Cachoeira começou quando ela ainda estava casada com Wilder.

A cerimônia de casamento foi marcada no último dia 11/12, quando Cachoeira saiu da prisão. Ele havia prometido, durante uma audiência na Justiça Federal de Goiás, se casar com Andressa assim que deixasse a prisão.

Carlinhos Cachoeira deixou a prisão em 21/11, porém voltou à cadeia no dia 07/12 e conseguiu a liberação novamente no dia 11/12, quando marcou a cerimônia, que foi realizada com a presença de 50 convidados, no salão de festas de um condomínio de luxo em Goiânia.

O casal não pôde viajar em lua de mel, pois o passaporte de Cachoeira foi apreendido pela Justiça e para sair de Goiânia, o bicheiro precisa pedir autorização da Justiça.

De acordo com informações da revista Veja, Cachoeira se converteu ao Evangelho numa igreja neopentecostal, durante seu primeiro período na prisão, que durou entre 29/02 e 21/11.

Fonte:Gospel+

Glória Perez agradece a Manoel Ferreira por ajudar na prisão de Guilherme de Pádua

Glória Perez agradece a Manoel Ferreira por ajudar na prisão de Guilherme de Pádua

Glória Perez fez um agradecimento ao pastor Manoel Ferreira nesta sexta-feira (28) quando comentava a data dos 20 anos da morte de sua filha, Daniella Perez, assassinada por pelos também atores Paula Thomaz e Guilherme de Pádua.
O líder da igreja Assembleia de Deus Madureira teve sua importância no caso por conseguir convencer o frentista evangélico, Antonio Clarete, de testemunhar contra os assassinos.
Clarete trabalhava no posto e teria lavado o carro dos assassinos tirando as marcas de sangue sem saber o que havia acontecido.
A princípio ele não aceitou testemunhar, até que foi incentivado pelo pastor Manoel e também pela então senadora, Benedita da Silva, a quem Glória também fez questão de agradecer.
“(…) Quero agradecer aos frentistas do posto Alvorada, que suportaram todo o tipo de pressão e tentativas de humilhações, mas mantiveram a firmeza no Tribunal do Júri e testemunharam a emboscada e o soco sofrido por Daniella; ao evangélico Antonio Clarete, que lavou o sangue do carro do assassino; ao pastor Manoel Ferreira, à então senadora Benedita da Silva (…)”, escreveu a autora de Salve Jorge em seu Twitter.
Para lembrar a data, Glória Perez realizou uma missa na paróquia da Ressurreição localizada em Ipanema, zona Sul do Rio de Janeiro.
Daniella estava no auge da carreira, jovem e bonita teve a vida interrompida aos 22 anos de idade, um crime que chocou o Brasil e que ainda traz tristeza para a mãe.

Fonte:GospelPrime

Ex-fiéis pedem prisão do pastor acusado de abuso sexual de fiéis

Na manhã da última segunda-feira (27) iniciou o julgamento do pastor Aldo Bertoni, 85 anos, que foi acusado de abusar de dezenas de fiéis oferecendo cura de doenças em troca de sexo.

Líder da Igreja Apostólica, uma seita que ele fundou para adorar a si mesmo, ele tem sido investigado pelo Ministério Público desde 2009 quando uma das vítimas teve coragem de denunciar o líder religioso para a polícia.

Antes de começar o julgamento dezenas de pessoas foram até o Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste de São Paulo, para protestar contra Aldo Bertoni. Os cartazes o acusavam de “abusador”, e também pediam  a condenação de quem teria abusado de muitas mulheres.

Para os frequentadores da Igreja Apostólica, o irmão Aldo, como é chamado, é praticamente um santo e por esse motivo é que muitas das vítimas tiveram medo de contar sobre os abusos. Muitas delas esperaram anos para poder denunciar o líder uma vez que não tinham como convencer seus familiares de que ele teria abusado sexualmente delas.

Os abusos, segundo relatos, aconteciam em uma sala onde Aldo Bertoni recebia os fiéis para orações. Relatos dizem que ele trancava a porta e molestava as mulheres dizendo que os toques e carícias iriam curá-las.

Com informações Band