Arquivos do Blog

Marco Feliciano fala sobre homossexualidade e política no Agora é Tarde

O pastor Marco Feliciano, deputado federal pelo Partido Social Cristão de São Paulo (PSC-SP), voltou à mídia nesta quarta-feira (23) após deixar a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

Feliciano participou do programa “Agora é Tarde”, apresentado pelo polêmico humorista Rafinha Bastos. Logo que anunciou sua participação milhares de internautas se dividiram sobre o pastor conceder ou não conceder a entrevista a Rafinha. Muitos internautas acreditavam que o humorista poderia prejudicar a imagem do pastor com suas piadas de dúbio sentido.

Ainda assim, a participação do líder da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento não causou constrangimentos. Feliciano falou sobre os temas recorrentes e fez algumas revelações sobre sua vida pessoal.

Rafinha iniciou a entrevista questionando o parlamentar sobre o sumiço na mídia. Para o pastor o que houve foi uma tentativa de usá-lo como bode expiatório, mas como não tiveram resultado, quando a imprensa parou de falar sobre sua estada na CDHM, Feliciano diz que houve as grandes manifestações no Brasil contra o Governo.

O apresentador também questionou Feliciano se sua rejeição na CDHM não teria sido motiva por suas posições polêmicas. Para Feliciano esta rejeição é de um grupo minoritário que representa 3% da nação, enquanto que 90% da população manifestava apoio às suas opiniões.

Rafinha Bastos questionou Feliciano sobre sua opinião quanto a homossexualidade e afirmou que o Movimento LGBT “extrapola as vezes até para mostrar sua causa de maneira mais veemente”.

“A conclusão que eu cheguei é que o homossexual em si é um fenômeno de comportamento. A pessoa não nasce, porque não existe o gene gay, a ciência não conseguiu descobrir até hoje. Então é um fenômeno comportamental. O próprio movimento chama de orientação sexual. Se é uma orientação pode haver uma reorientação ou até uma desorientação”, comentou o parlamentar.

Para o pastor o único profissional que poderia estudar o comportamento homossexual é o psicólogo, porém no Brasil o Conselho Federal de Psicologia proíbe os profissionais da área de abordarem o tema.

Para a surpresa do público evangélico o apresentador chegou a citar passagens bíblicas que tratam sobre a questão da homossexualidade. Rafinha Bastos lembrou a passagem em Apocalipse sobre os que entrarão no reino dos céus citando os afeminados como sendo aqueles que serão impedidos.

O apresentador encerrou a participação de Feliciano em um quadro onde o parlamentar deveria escolher aquelas pessoas que ele coligaria e aquelas que ele não concorda com a opinião e por isso não coligaria.

Marco Feliciano disse que não coligaria com a presidente Dilma Rousseff. Apesar de não explicar os motivos Feliciano tornou-se um crítico do Governo por considerar que foi usado pelo mesmo como bode expiatório. Nas eleições de 2010, Feliciano chegou a fazer campanha em favor do Partido dos Trabalhadores.

Ao apresentar a ex-ministra Marina Silva o parlamentar também rejeitou uma possível coligação, pois para ele Marina traiu os princípios cristãos. O parlamentar lembrou que em 2010 a candidata Marina Silva conquistou mais de 20 milhões de votos, sendo uma surpresa nas eleições presidenciais, mas acabou não opinando sobre questões morais. Marco Feliciano também lembrou que durante a participação da ex-senadora no programa Roda Viva ela acabou dando uma resposta dúbia sobre o criacionismo. Na época Feliciano chegou a publicar um artigo criticando Marina Silva.

Entre outras personalidades o parlamentar disse que coligaria com a jornalista do SBT, Rachel Sheherazade, âncora do telejornal “SBT Brasil” que se envolveu em uma polêmica após defender a ação de cidadãos no Rio de Janeiro contra um bandido.

Para Feliciano a jornalista é uma das poucas vozes que representam o pensamento da sociedade. Sheherazade foi proibida de expressar opiniões após perseguição política sofrida pelo SBT.

Rafinha Bastos também criticou a censura à jornalista e disse que a jornalista representa o pensamento de muita gente.

Assista:


Fonte:GospelPrime

Rachel Sheherazade está com “dias contados” na TV

Cristã e conservadora, a jornalista Rachel Sheherazade não deve permanecer como âncora e comentarista do telejornal SBT Brasil. A informação do colunista do UOL, Ricardo Feltrin, é de que o SBT afastou Rachel por causa da pressão política e jurídica que vem recebendo.

Oficialmente, Rachel Sheherazade está em férias. Mas, como informou o colunista, ela já havia tirado férias em janeiro, ocasião na qual viajou a Paris e, de lá, participou de um hangout com o cantor Lobão para falar justamente do tema da liberdade de expressão no Brasil.

O SBT estaria sendo pressionado por comissões parlamentares e pela ameaça de perder mais de R$ 150 milhões em verbas publicitárias estatais. Com suas opiniões polêmicas sobre política e cultura, Sheherazade se tornou uma das vozes mais críticas ao governo Dilma.

Entenda o caso

As opiniões de Sheherazade sempre foram polêmicas. A mais controversa delas foi sobre a reação de populares no Rio de Janeiro que amarram um menor infrator a um poste. Para a jornalista, a reação dos populares é “compreensível” diante da ineficiência do Estado.

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB) fez representação junto à Procuradoria Geral da República(PGR) contra a jornalista. A deputada comunista solicita investigação, alegando que a âncora do ‘SBT Brasil” cometeu crime de apologia e incitamento à tortura e ao linchamento.

A representação foi aceita pela PGR. Além disso, Jandira Feghali e grupos de direitos humanos fazem pressão para que o SBT tenha suas verbas estatais suspensas até que o caso seja devidamente apurado e Rachel Sheherazade seja oficialmente afastada do programa.

“Não sou a favor de maldade contra gay”, diz Silas Malafaia; Pastor revela expectativa de que Marco Feliciano tenha mais de 400 mil votos em 2014

“Não sou a favor de maldade contra gay”, diz Silas Malafaia; Pastor revela expectativa de que Marco Feliciano tenha mais de 400 mil votos em 2014

O pastor Silas Malafaia afirmou durante entrevista que acredita que o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) terá o dobro de votos conseguidos na última eleição, quando disputou pela primeira vez um cargo público e recebeu mais de 211 mil votos.

“Se o Feliciano tiver menos de 400 mil votos na próxima eleição, eu estou mudando de nome”, disse à Folha de S. Paulo, ironizando os esforços dos ativistas gays: “Quero agradecer ao movimento gay. Quanto mais tempo perderem com o Feliciano, maior será a bancada evangélica em 2014”, afirmou.

A ideia de que Feliciano será mais bem votado nas próximas eleições é lugar comum no Partido Social Cristão: “Essa coisa vai despertar o sentimento do evangélico de ter representantes na Câmara dos Deputados, nas Assembleias Legislativas e nas Câmaras Municipais. Vai nos ajudar”, disse Eliel Santana, presidente do PSC da Bahia.

Em declaração ao site do jornal O Globo, Silas Malafaia afirmou que os protestos contra Feliciano acontecem porque os ativistas estariam “engasgados” por não conseguirem impor suas vontades sobre a maioria. “Os que querem direitos humanos agridem, xingam. Eles querem direitos para eles. Isso aí é um joguinho político de ativismo gay. Eu também sou vítima disso”, disse o pastor.

O Partido dos Trabalhadores também foi criticado por Malafaia pela forma como está se portando durante o episódio: “Acho engraçado como o PT consegue jogar para a plateia. Essa comissão sempre foi presidida pelo PT. O PT não quis mais. Será que é por questões inconfessáveis? Opinião não é crime. Ele [Marco Feliciano] tem direito de expressar a opinião que ele tem”.

Questionado sobre as acusações de homofobia contra Feliciano, o pastor contra-atacou: “Eu também sou acusado de ser homofóbico. Aí eu pergunto: qual o evangélico que matou um gay? Isso é conversa. Quem contraria os ativistas gays no Brasil é chamado de homofóbico”.

Silas Malafaia afirmou ainda que espera que Feliciano “presida [a CDHM] com cuidado […] Seja justo, ético, que não tenha proteção com a, com b ou com c”, pois atualmente, o trabalho da comissão é “terrivelmente parcial em favor da causa gay, com proteção e privilégios para um grupo social”, pontuou.

“Na democracia, minoria não determina sobre a maioria e é isso que eles estão engasgados. Não quero injustiça, não sou favor de maldade contra gay, mas também privilégios para eles, não”, concluiu o pastor Silas Malafaia.

Fonte:Gospel+

Marco Feliciano reafirma que não renunciará, fala sobre aborto e diz que movimento LGBT quer impor uma “ditadura gay” no Brasil. Assista

O pastor Marco Feliciano concedeu uma entrevista ao programa Poder e Política, exibido pelo portal Uol em parceria com  o jornal Folha de S. Paulo, e comentou as questões que tem cercado seu mandato nos últimos dias.

Feliciano voltou a negar que renunciará ao cargo de presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), e disse que está acostumado a pressões.

“Quero agradecer a oportunidade que você me dá de a primeira vez, agora, dar uma entrevista séria para um portal sério. E dizer que não há possibilidade nenhuma de renúncia. Não há possibilidade nenhuma de renúncia até porque eu não cometi nenhum crime, eu não passei por nenhum tipo de julgamento, nenhum tipo de tribunal e o que tem acontecido é apenas a força de um grupo da sociedade que luta muito para que eu, debaixo dessa pressão, saia do cargo. Só que pressão é meu sobrenome. Desde criança eu vivi sobre pressão. Eu nasci de uma família pobre e vivi até agora”, disse Feliciano ao jornalista Fernando Rodrigues, apresentador do programa.

Sobre questões ligadas ao aborto, Feliciano afirmou ter ficado feliz pela escolha da Igreja Católica por “um papa que ainda é bem ortodoxo, é bem conservador e que prima” pela vida, posicionando-se contra a legalização da interrupção das gestações.

“A família é a base da sociedade. Aliás, a família é antes da sociedade. A família é antes do estado. Então, nós não podemos destruir a família. Se você destruir a família, você destrói a sociedade, destrói o estado. Isso já aconteceu em outras civilizações. Então, existe uma proteção. É preciso ter o contraponto e o contraditório”, disse Feliciano.

O pastor posicionou-se contra, inclusive, ao aborto em casos de estupro, dizendo que “Vivemos num mundo cão”, mas que o bebê “não tem culpa disso. É uma vida. É uma criança”.

Para o pastor, o melhor caminho nesses casos é encaminhar o bebê para adoção: “Se ela não quer cuidar da criança, existe uma fila imensa de pessoas que querem adotar essas crianças. Dê a luz e dê essa criança para que alguém possa cuidar dela, mas não assassine. Não aborte”.

Feliciano-Fernando RodriguesMarco Feliciano fez uma revelação a respeito de sua mãe para contextualizar sua postura nesse assunto: “Eu sou filho de uma mulher que, por causa dada à pobreza… A minha mãe… Houve um tempo na vida dela em que ela tinha uma pequena clínica de aborto. Uma clínica clandestina. Eu cresci no meio disso. Eu vi mulheres perderem o seu bebê assim e fiquei traumatizado por isso. Eu vi fetos serem arrancados de dentro de mulheres. Isso é uma tortura. Não se faz isso. Não se faz isso. A vida é um dom de Deus. Só Deus dá e só Deus tira”, pontuou.

Comentando as acusações de racismo feitas contra ele, Feliciano citou o poema “Vozes D’África”, do escritor abolicionista Castro Alves, e voltou a negar que seja racista por sua menção à teologia que defende a ideia de que os habitantes do continente africano são descendentes de um neto de Noé, amaldiçoado por ele.

O pastor pontuou ainda que toda a polêmica foi “empesteada” no país pelo movimento LGBT, que segundo o pastor, pretende instalar uma “ditadura” no país, e impor seus pensamentos.

“Eles querem impor o seu estilo de vida e a sua condição sobre mim. E eles lutam contra a minha liberdade de pensamento e de expressão. Eles lutam pela liberdade sexual deles. Só que antes da liberdade sexual deles, que é secundária, tem que ser permitida a minha liberdade intelectual. A minha liberdade de expressão. Eu posso pensar. Se tirarem o meu poder de pensar, eu não vivo. Eu vegeto e morro”, afirmou Marco Feliciano.

Marco Feliciano afirmou ainda que hoje em dia, poderia procurar palavras mais adequadas para dizer o que pensa, mas não deixaria de falar o que entende ser verdade: “Hoje pensaria outra forma para falar. Porque hoje eu começo a entender o que é a vida pública. Eu nunca tinha sido nem vereador. Eu tive essa expressão de votos aí. As pessoas que votaram em mim votaram porque sabem que eu sou contundente nos meus posicionamentos, e corajoso. Hoje, usaria outros tipos de palavras. Talvez falaria as mesmas verdades de outra forma. Existem várias maneiras de dizer uma verdade, né? Seria um pouquinho mais cuidadoso”, ponderou.

O pastor e deputado voltou a criticar a determinação do Conselho Federal de Psicologia sobre a reorientação de homossexuais, que proíbe os profissionais da área de oferecerem ajuda nesses casos: “Um homem, cansou de namorar uma mulher e ele está com problema psicológico. Ele vai ao Conselho Federal de Psicologia ou ao psicólogo e diz: “Olha, eu queria me reorientar. Não sei, de repente eu passei a ter uma paixão por pessoas do mesmo sexo”. O psicólogo está amparado pela lei do Conselho Federal de Psicologia para cuidar da pessoa. Se houver alguém no sentido contrário, um homossexual, ele cansou desse estilo de vida, de repente ele viu que não dá certo, ele quer se reorientar, ele quer procurar um psicólogo e falar assim: “Olha, eu sou homossexual, mas eu quero que você me ajude a voltar como eu era antes quando eu nasci. Eu gostava de mulher, ou eu gostava de homem. Eu quero que você me ajude a me reorientar”. Sabe o que o psicólogo vai dizer para ele? “Por favor, saia do meu consultório agora. Porque se alguém souber disso eu vou ser cassado pelo Conselho Federal de Psicologia”. É uma desproporcionalidade. Você pode ir para um lado, mas não pode ir para o outro. O movimento GLBT se levanta com uma doutrinação nacional. Eles se levantam nesse nosso país com uma ditadura, uma ditadura gay”.

Vídeo completo: Marco Feliciano no Poder e Política do UOL e Folha

Estelionato

O jornalista Lauro Jardim, da revista Veja, publicou uma informação de que o pastor Marco Feliciano deverá depor ao ministro Ricardo Lewandovski na próxima sexta-feira, 05 de abril, a respeito do processo em que ele é acusado de estelionato.

Segundo Jardim, Feliciano tentou desmarcar o depoimento alegando um compromisso num evento religioso no Pará, mas o ministro do Supremo Tribunal Federal recusou e manteve a sessão para a data agendada.

Fonte: Gospel+

 

PSD pode virar um “partido religioso”

O prefeito de São Paulo Gilberto Kassab é o fundador e presidente do Partido Social Democrata (PSD). Ele tem procurado fortalecer o partido em todos os Estados, mas no Rio de Janeiro ele começa a ter um perfil conservador, com um forte vínculo religioso.

Entre os seus 13 deputados estaduais titulares, a maior bancada da Assembleia Legislativa do Rio, cinco são evangélicos, e Myrian Rios (ex-PDT) é missionária católica.

O partido tem um 14º parlamentar desde a semana passada. Trata-se do suplente Hélcio Ângelo (ex-PSDB), que assumiu a vaga do deputado Comte Bittencourt (PPS).  Ângelo também é evangélico.

A figura mais destacada dos deputados religiosos do PSD provavelmente é Samuel Malafaia (ex-PR), irmão do conhecido pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

O sobrenome Malafaia desde a campanha eleitoral de 2010 tem sido conhecido pelos ataques ao PT, a quem atribuiu à defesa do aborto e a criação da PL 122, que legalizaria o casamento homossexual.

A ex-atriz da Globo Myrian Rios (ex-PDT) também é criticada pelos homossexuais, desde que declarou que não contrataria empregados gays e participou da campanha “Todos contra o sexo anal”.

A nova legenda conta com Marcos Soares (ex-PDT), filho do pastor R. R. Soares, missionário da Igreja Internacional da Graça, conhecido pelo programa “Show da fé”.

O PSD é também o partido atual do deputado Fábio Silva (ex-PR), filho do empresário Francisco Silva, da Congregação Cristã do Brasil. Silva é dono da Melodia, uma das maiores cadeias de rádios gospel do País.

Ao comentar seu ingresso no novo partido, em 2011, Samuel Malafaia afirmou “Foi uma bênção, mas não tem a ver com religião e sim com o fato de que eu estava insatisfeito com a liderança do Garotinho. Encontramos ar novo no PSD”. A crítica do parlamentar é direcionada ao Partido da República (PR) liderado no rio pelo ex-governador e deputado Anthony Garotinho, da Igreja Presbiteriana.

Samuel Malafaia foi o terceiro mais votado no Estado na última eleição, com 134,5 mil votos.

“Houve uma fase em que evangélicos votavam em evangélicos. Em 2006, eles seguraram os votos, acho que pelo envolvimento de alguns políticos evangélicos em escândalos, como o mensalão. Caí de 60 mil votos em 2002 para 35 mil em 2006 e não fui reeleito. Em 2010, com essa história de casamento gay, de lei da homofobia, acredito que os evangélicos reagiram e voltaram aos candidatos em quem confiavam para ir contra esta onda”. Porém, Malafaia explica que sabe que o PSD está aberto a todas as correntes. “Um grupo no nosso partido vai defender os homossexuais. O PSD está disposto a conviver com ideias diferentes.”

A deputada Graça Pereira, da Igreja Presbiteriana, que trocou o DEM pelo PSD, o que atraiu os parlamentares para o novo partido foi a insatisfação com suas antigas legendas. “Não houve movimentação por conta de sermos religiosos”, disse.

A maioria dos deputados estaduais evangélicos foram para o PSD por convite do deputado federal Arolde de Oliveira, que está no oitavo mandato e mudou de partido depois de quase 30 anos nos antigos PDS e PFL e no DEM. Arolde, ligado à Igreja Batista, é dono da gravadora de música gospel MK e da rádio evangélica 93 FM.

Para ele, a composição atual da bancada do PSD reflete o perfil religioso da região metropolitana do Rio. “O PSD é reflexo da própria sociedade. Não é só o Estado do Rio, nós somos uma nação conservadora”.

Após a perda de seis deputados – entre titulares e suplentes – para o PSD, os dois políticos evangélicos mais influentes do Estado do Rio de Janeiro ainda estão em outros partidos.

Antony Garotinho ainda tem o domínio do PR fluminense, mas seu partido foi o que mais perdeu deputados estaduais para o PSD.

O senador Marcelo Crivella permanece sendo o principal líder do PRB, partido vinculado à Igreja Universal do Reino de Deus.

A bancada evangélica do Rio é possivelmente a maior do Brasil. Na Assembleia é possível identificar pelo menos mais oito parlamentares evangélicos, ligados no momento a PMDB, PR, PRB e PMN. Além de Myrian Rios, existem dois deputados que são líderes católicos, um do PMDB e outro do PSC.

Ainda é cedo para afirmar que o PSD será um partido evangélico, mas as próximas eleições podem ser determinantes para isso, principalmente com a disputa aberta entre os evangélicos e o PT. A chamada “bancada evangélica”, presente na Câmara Federal e no Senado, tem se posicionado abertamente contra propostas polêmicas do Partido dos Trabalhadores. No Brasil, a fidelidade religiosa dos políticos parece ainda estar acima da fidelidade partidária.

Com informações O Globo e Estado de São Paulo