Arquivos do Blog

Pastor é preso por protestar contra o aborto; Cartazes diziam que prática é assassinato de crianças

Um pastor que protestava contra o aborto num cruzamento foi preso por segurar um cartaz que dizia que a prática mata crianças. Stephen Joiner foi detido por quatro horas por supostamente ter desobedecido um policial que ordenou que ele deixasse o local.

Joiner é líder da Igreja do Nazareno, na cidade de Columbus, Mississippi, e agora é beneficiário de uma ação por conta de sua prisão, considerada abusiva.

O Conselho de Liberdade entrou com um processo de direitos civis contra a prefeitura da cidade e o capitão da Polícia, Frederick Shelton, em nome do pastor.

Durante a audiência do processo, o capitão Shelton acusou o pastor de violar leis municipais que regulamentam manifestações em grupo, porém, a defesa argumentou que o pastor estava sozinho no momento de sua prisão.

“A Primeira Emenda protege o direito dos cidadãos de se expressar sobre as vias públicas livres de interferência do governo”, disse Mat Staver, fundador e presidente do Conselho de Liberdade. “As ações da cidade foram totalmente injustificadas e são uma afronta aos direitos fundamentais de todos os americanos. Mesmo o discurso impopular é protegido quando pacificamente expressa, como o pastor Joiner fez aqui”, acrescentou Staver.

Fonte:Gospel+

Anúncios

Testemunho: pastor diz que música gospel o ajudou a deixar a homossexualidade; Assista

Testemunhos de pessoas que se descrevem como ex-homossexuais e que afirmam terem abandonado a prática através do Evangelho vêm se tornando cada vez mais comuns nos últimos anos, com a intensificação do debate entre cristãos e ativistas gays. O pastor Donnie McClurkin é mais uma voz que se junta ao coro dos que são gratos pela “libertação” da homossexualidade.

O testemunho de McClurkin vem percorrendo o mundo desde que ele revelou que foi tocado pela música gospel, e que através dela, abandonou a homossexualidade. De acordo com o pastor, música e oração formaram a receita que recuperaram sua heterossexualidade.

“Deus usou a música livre de toda a escravidão gradualmente, até que o que as pessoas pensavam de mim deixou de importar, e eu pude passar por cima da opinião das pessoas, superei o espírito de rejeição, e pude ver em mim que os outros não têm como eu”, afirmou McClurkin.

Sobre o início na homossexualidade, o pastor afirmou que as vozes que diziam que era certo eram mais presentes do que as que diziam ser errado: “As pessoas me disseram que eu poderia fazer. Eles não me disseram quem eu era, nunca foi dito que eu poderia desenvolver meu potencial. Eu coloquei as algemas e me limitei”.

O pastor afirmou que teve problemas emocionais em sua juventude, incluindo a morte de um irmão, abuso de drogas na família, abuso sexual que sofreu de seu tio e, posteriormente, pelo primo, e que isso influenciou na sua opção homossexual mais à frente. “Eu já passei por isso e tenho experimentado o poder de Deus para mudar o meu estilo de vida, e eu sei que Deus pode dar isso a outros também”, concluiu o pastor Donnie McClurkin.

Confira o testemunho do pastor no vídeo (em inglês) abaixo:

Marco Feliciano passa por processo disciplinar e pode perder título de pastor

O deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) pode ser excluído da Convenção Geral das Assembleia de Deus do Brasil (CGADB) por ter dado uma entrevista à revista “Playboy” no mês passado, cujo carro-chefe é a publicação de fotos de mulheres nuas.

Feliciano tornou-se alvo de críticas após sua passagem pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados e havia concedido à entrevista como direto de resposta ao humorista Gregorio Duvivier, do canal Porta dos Fundos.

Sobre sua entrevista o parlamentar afirmou que não poderia perder a oportunidade e que sua intenção não era estimular a compra da revista, mas atingir os leitores. “A revista perguntou se eu queria falar. Jamais perderia essa oportunidade. A entrevista com meu testemunho pessoal tem um alvo: os leitores daquela revista. E os crentes que fiquem em oração”, disse Feliciano.

Na entrevista Feliciano tratou de suas experiências com drogas antes de sua conversão, sobre sua posição a cerca da homossexualidade e outros temas polêmicos como sexo anal, criticas ao governo e do seu desejo de se tornar presidente, além de criticas a ex-senadora Marina Silva.

A iniciativa de exclusão do pastor partiu da Convenção Fraternal das Assembleias de Deus no Estado de São Paulo (Confradesp), presidida pelo pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da CGADB e da Assembleia de Deus em São Paulo.

Caso o processo de exclusão permaneça o nome do parlamentar, que é líder da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento, deve ser encaminhado a CGADB e sua exclusão poderá ser votada em uma Assembleia Geral Ordinária (AGO).

Durante a realização da 41ª AGO Feliciano recebeu o apoio dos confrades. Na ocasião, a AGO aprovou uma “moção de apoio” ao deputado que estava sofrendo perseguição política devido sua permanência na CDHM. O presidente da CGADB chegou a defender o Pastor Marco Feliciano durante entrevistas concedidas a diversos veículos de imprensa.

A Confradesp reúne cerca de oito mil pastores do Ministério do Belém no Estado de São Paulo e decidiu abrir uma apuração contra Feliciano em seu conselho ético. Para os pastores o conteúdo da entrevista não é o problema, mas a mídia que a transmite.

O pastor Lelis Washington diz que o problema está na revista e não nas declarações de Feliciano. “Deixando de analisar a entrevista, não é essa literatura que recomendamos aos fiéis”, disse.

Feliciano já havia afirmado que é histeria dizer que sua entrevista estimulará os evangélicos a comprar a resta e que no máximo sua participação revelará o “caráter” de muitos cristãos.

A reunião que decidiu avaliar o comportamento de Feliciano ocorreu nesta terça-feira (6) e o procedimento pode levar a desde uma advertência a exclusão de Feliciano da CGADB. Caso o processo chegue a esta gravidade, os pastores deverão pedir o “descredenciamento pastoral”.

Fonte:GospelPrime

Cláudio Duarte fala sobre casamento e sexualidade no Ratinho

O pastor Claudio Duarte esteve no “Programa do Ratinho” nesta quinta-feira (24) participando do quadro “Dois Dedos de Prosa”.

Essa foi a segunda vez que o pastor evangélico esteve na atração do SBT falando principalmente de sexo e família, mostrando como deve ser o relacionamento de acordo com a Bíblia.

Logo no começo da conversa, Duarte deixou claro ao apresentador Carlos Massa que só fala sobre sexo e casamento nas palestras, e não nos cultos.

Ao longo do programa o pastor respondeu perguntas da produção, dos telespectadores e da plateia do programa, sempre se baseando na Bíblia para solucionar as dúvidas apresentadas.
Uma delas foi a respeito das fantasias sexuais. “Eu não vejo restrição nenhuma nas fantasias, desde que o objeto de desejo seja o corpo do cônjuge”, afirmou.

Outra dúvida levantada foi se o sexo oral é pecado. “Tem um texto em I Pedro 3:7 que diz que você deve se relacionar sexualmente com sua mulher com entendimento. No meu posicionamento sexo oral é entre você e sua mulher e ninguém tem nada a ver com isso”, disse ele.

Ratinho deixou claro que o tema do programa seria sexo por ser um tema polêmico que dá ibope. Inclusive ele comentou que a primeira participação de Cláudio Duarte no programa foi um sucesso.

O pastor também precisou responder a respeito da relação homossexual. Ao falar que todos os seus conselhos são bíblicos, Cláudio Duarte afirmou que sim, a relação homossexual não é aceita, mas que isso não lhe dá permissões para agredir moralmente os homossexuais.

“A Bíblia me orienta a não aceitar [a prática homossexual]. Isso não me dá direito de segregar ninguém, de usar palavras pejorativas, de diminuir as pessoas. Só que, como eu estou baseado biblicamente, não aceito”, afirmou.

Ainda sobre o tema, ele falou que como pastor ele entende que todas as pessoas precisam ter um encontro com Cristo, e depois desse encontro as pessoas entenderão o que é certo e o que é errado.

Assista o programa completo:

Fonte:GospelPrime

Marco Feliciano fala sobre homossexualidade e política no Agora é Tarde

O pastor Marco Feliciano, deputado federal pelo Partido Social Cristão de São Paulo (PSC-SP), voltou à mídia nesta quarta-feira (23) após deixar a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

Feliciano participou do programa “Agora é Tarde”, apresentado pelo polêmico humorista Rafinha Bastos. Logo que anunciou sua participação milhares de internautas se dividiram sobre o pastor conceder ou não conceder a entrevista a Rafinha. Muitos internautas acreditavam que o humorista poderia prejudicar a imagem do pastor com suas piadas de dúbio sentido.

Ainda assim, a participação do líder da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento não causou constrangimentos. Feliciano falou sobre os temas recorrentes e fez algumas revelações sobre sua vida pessoal.

Rafinha iniciou a entrevista questionando o parlamentar sobre o sumiço na mídia. Para o pastor o que houve foi uma tentativa de usá-lo como bode expiatório, mas como não tiveram resultado, quando a imprensa parou de falar sobre sua estada na CDHM, Feliciano diz que houve as grandes manifestações no Brasil contra o Governo.

O apresentador também questionou Feliciano se sua rejeição na CDHM não teria sido motiva por suas posições polêmicas. Para Feliciano esta rejeição é de um grupo minoritário que representa 3% da nação, enquanto que 90% da população manifestava apoio às suas opiniões.

Rafinha Bastos questionou Feliciano sobre sua opinião quanto a homossexualidade e afirmou que o Movimento LGBT “extrapola as vezes até para mostrar sua causa de maneira mais veemente”.

“A conclusão que eu cheguei é que o homossexual em si é um fenômeno de comportamento. A pessoa não nasce, porque não existe o gene gay, a ciência não conseguiu descobrir até hoje. Então é um fenômeno comportamental. O próprio movimento chama de orientação sexual. Se é uma orientação pode haver uma reorientação ou até uma desorientação”, comentou o parlamentar.

Para o pastor o único profissional que poderia estudar o comportamento homossexual é o psicólogo, porém no Brasil o Conselho Federal de Psicologia proíbe os profissionais da área de abordarem o tema.

Para a surpresa do público evangélico o apresentador chegou a citar passagens bíblicas que tratam sobre a questão da homossexualidade. Rafinha Bastos lembrou a passagem em Apocalipse sobre os que entrarão no reino dos céus citando os afeminados como sendo aqueles que serão impedidos.

O apresentador encerrou a participação de Feliciano em um quadro onde o parlamentar deveria escolher aquelas pessoas que ele coligaria e aquelas que ele não concorda com a opinião e por isso não coligaria.

Marco Feliciano disse que não coligaria com a presidente Dilma Rousseff. Apesar de não explicar os motivos Feliciano tornou-se um crítico do Governo por considerar que foi usado pelo mesmo como bode expiatório. Nas eleições de 2010, Feliciano chegou a fazer campanha em favor do Partido dos Trabalhadores.

Ao apresentar a ex-ministra Marina Silva o parlamentar também rejeitou uma possível coligação, pois para ele Marina traiu os princípios cristãos. O parlamentar lembrou que em 2010 a candidata Marina Silva conquistou mais de 20 milhões de votos, sendo uma surpresa nas eleições presidenciais, mas acabou não opinando sobre questões morais. Marco Feliciano também lembrou que durante a participação da ex-senadora no programa Roda Viva ela acabou dando uma resposta dúbia sobre o criacionismo. Na época Feliciano chegou a publicar um artigo criticando Marina Silva.

Entre outras personalidades o parlamentar disse que coligaria com a jornalista do SBT, Rachel Sheherazade, âncora do telejornal “SBT Brasil” que se envolveu em uma polêmica após defender a ação de cidadãos no Rio de Janeiro contra um bandido.

Para Feliciano a jornalista é uma das poucas vozes que representam o pensamento da sociedade. Sheherazade foi proibida de expressar opiniões após perseguição política sofrida pelo SBT.

Rafinha Bastos também criticou a censura à jornalista e disse que a jornalista representa o pensamento de muita gente.

Assista:


Fonte:GospelPrime

Há muitos cristãos com a fé morta, diz Saeed Abedini em carta aberta

Há muitos cristãos com a fé morta, diz Saeed Abedini em carta aberta

Mesmo em meio ao brutal sistema prisional iraniano, o pastor Saeed Abedini, preso desde 2012, conseguiu enviar uma carta aberta aos cristãos. Por ocasião da Páscoa, o pastor, que foi condenado a 8 anos de encarceramento por ter pregado o evangelho, decidiu compartilhar uma mensagem com os cristãos ao redor do mundo

Ele cumpre uma sentença de prisão de oito anos, sob a acusação de ter evangelizando na república islâmica, onde isso não é permitido.

Doente, Abedini está hospitalizado e com péssimas condições de saúde. Recentemente, foi divulgado que ele sofria espancamentos frequentes na prisão. Sem ver a esposa e filhos há quase dois anos, ele decidiu mandar uma carta onde afirmou sua crença na necessidade da humanidade de Jesus Cristo.  O material chegou à imprensa neste final de semana.

“Na véspera da Sexta-feira Santa e Páscoa eu estava orando do meu quarto de hospital pelos meus irmãos de todo o mundo”, escreveu. “O que o Espírito Santo revelou a mim em oração foi que há muitos cristãos com a fé morta nos dias de hoje.”

Abedini continua: “Algumas vezes queremos experimentar a glória e ressurreição com Jesus sem experimentar a morte com ele. Não percebemos que, se não passarmos pelo caminho da morte com Cristo, não somos capazes de experimentar a ressurreição com Cristo.”

Ele encoraja os cristãos a lembrarem da necessidade de se abraçarem a Cristo, pois só assim alcançarão o verdadeiro sucesso pessoal. Em vez de focarem apenas no que desejam para si mesmas, o pastor ressaltou que neste período em que se pensa no significado da Páscoa, deveriam fazer o que Deus quer deles. Lembrou ainda Mateus 16:24: “Se alguém quiser seguir-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.”

Finalizou com um apelo: “Vamos ressuscitar nossas crenças mortas, tendo fé que precisamos primeiro morrer para o nosso egoísmo, assim experimentaremos a cruz de Jesus. Somente então seremos capazes de experimentar a ressurreição gloriosa de Cristo.”

Abedini tem sofrido com um sério problema na região do estômago, com uma lesão que foi provocada pelos repetidos espancamentos que sofreu na prisão.

Diversos movimentos cristãos e de luta pelos direitos humanos ao redor do mundo pedem a libertação do pastor Abedin desde que ele foi preso pela primeira vez. Aqui no Brasil o deputado Marco Feliciano tem trabalhado por isso. Mas o governo do Irã jamais deus uma resposta clara sobre a situação do pastor. Com informações de The Blaze.

Fonte:GospelPrime

 Ore por Saeed Abedini

Valdemiro Santiago revela que tentou suicídio aos 12 anos

O programa “Luciana By Night” da última terça-feira (15) mostrou a entrevista com o apóstolo Valdemiro Santiago. Luciana Gimenez conduziu uma entrevista divertida deixando com que o fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus falasse sobre sua história.

Valdemiro falou sobre sua vida no interior de Minas Gerais, na roça como ele costuma dizer, e também citou a morte sua mãe. Abatido com a falta dela, Valdemiro tentou se matar.

“Eu tentei me matar porque eu pensava que sem ela eu não conseguiria sobreviver”, disse o religioso.

A doença misteriosa da mãe fez com que os vizinhos dissessem que era obra de macumba. Luciana perguntou se ele acreditava em macumba e se macumba pega.

“Macumba pega. Em mim não pega não, mas já pegou. Eu carregava um patoá na época, quando eu era pequeno. Uma macumbeira me deu um patoá para me proteger. Eu fiquei amigo da macumbeira, mas fiquei rebelde”, disse.

O que o religioso queria dizer é que existe o mal, assim como existe o bem. “Se você se apega a Deus e anda com Deus não precisa ter medo do mal, agora se você estiver distante de Deus é certo que o mal vai fazer parte da sua vida”.

Santiago contou que saiu da “roça” para ir para uma cidade grande, mas acabou caindo em um caminho errado. Foi nessa parte que ele falou sobre não se importar com a placa de igreja, pois elas são iguais. “É Deus que faz a diferença nas nossas vidas”, afirmou.

A apresentadora fez uma brincadeira com o religioso pedindo para que ele adivinhasse o nome dos queijos, já que ele é mineiro.

Depois da brincadeira Santiago voltou para entrevista e comentou sobre sua conversão, sem citar que foi evangelizado por um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus.

Assista:

Fonte:Gospel+

Valdemiro Santiago grava programa na Rede TV e diz que macumba pega

Nesta terça-feira (8) o apóstolo Valdemiro Santiago gravou uma participação no programa “Luciana By Night”, na Rede TV. O religioso teve a oportunidade de falar sobre sua vida e sobre religião.

O talk show apresentando por Luciana Gimenez questionou Santiago a respeito de temas variados, entre eles se o religioso acreditava em macumba e se ela pega.

“Ah pega. Em mim não pega, não”, disse ele que contou que na infância recebeu um patuá de uma macumbeira que queria protegê-lo, mas no final ele acabou se tornando rebelde e brigando com todos em sua volta. “Então pegou [a macumba], porque eu fiquei amigo dela e inimigo de todo o mundo”.

Em outro ponto da entrevista o fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus disse que não há diferença entre as igrejas. “As igrejas são iguais, Deus é que faz a diferença na vida da gente; Deus não está preocupado com o nome de igreja ou a religião. Ele está preocupado conosco”, disse.

Em sua visão não é preciso seguir uma religião, basta “amar a Deus, temer a Deus e amar o próximo como a ti mesmo”. “Essa história de religião, de placa de igreja, não existe. Reino de Deus não tem um cantinho pra essa ou aquela igreja, não”, afirmou Santiago.

Luciana Gimenez pediu para que ele comparasse as religiões, mas ele se isentou dizendo que prega a palavra de Deus e que tudo que acontece em sua igreja é feito por Deus. Ele também nega que seja milagreiro. “Quem faz milagre é Deus, é Jesus Cristo. O milagre é pela fé”.

A participação de Valdemiro Santiago no programa “Luciana By Night” vai ao ar na próxima terça-feira (15) a partir das 23h.

Fonte:GospelPrime

Marco Feliciano concede entrevista à revista Playboy

O deputado federal pastor Marco Feliciano concedeu uma entrevista para a revista “Playboy” falando de temas polêmicos: drogas e sexo.

O parlamentar evangélico contou que na adolescência experimentou drogas. Tentou fumar maconha, mas se engasgou. “Eu tentei maconha, mas engasguei, nunca consegui fumar nem cigarro”, disse ele.

Por outro lado ele experimentou cocaína. “Conheci a cocaína nos bailinhos, no fim dos 12 anos”, afirmou Feliciano que se tornou evangélico meses depois.

O deputado conta que sonha ser presidente do Brasil. Além disso, critica a ex-senadora Marina Silva. “Marina Silva é um engodo. Com aquele jeitinho de cristã, a roupa de crente, ela foi muito inteligente.”, disse.

A entrevista na íntegra só está disponível na versão física da revista de abril que acaba de chegar às bancas, mas a coluna F5, da Folha de São Paulo, destacou algumas falas do pastor.

Além de drogas, Feliciano também comentou a respeito de sexo anal, ele precisou responder se considera possível que um homem tenha prazer com a prática.

“Com certeza, tem homens que têm tara por ânus, sim”, disse. “Eu não entendo muito dessa área porque nunca fiz, graças a Deus”.

Na visão do deputado, quem pratica sexo anal não consegue mais voltar. “Espero nunca fazer, porque parece que quem faz não volta mais”.

Fonte:GospelPrime

Pastor lidera trabalhos voluntários para auxiliar desabrigados pela cheia do rio Madeira, em Rondônia; Chuva castiga o estado há mais de um mês

A cheia do rio Madeira, em Rondônia, causada pela chuva ininterrupta de mais de um mês, deixou mais de 18 mil desabrigados e já é considerada a pior enchente da história do estado, superando a crise semelhante de 1997. Nesse cenário de caos, o pastor José Valamatos protagoniza um papel de esperança aos necessitados, organizando trabalhos voluntários para ajudar as comunidades mais necessitadas.

“Estamos lutando para minimizar o sofrimento causado pela tragédia”, desabafa o líder evangélico, que tem recebido ajuda de igrejas em outros estados. “Ficamos muito felizes com a ajuda que recebemos e já distribuímos os alimentos. Só que, infelizmente, não dá para todos”, revela, referindo-se às 50 cestas básicas doadas por uma denominação em Manaus.

O estado está praticamente isolado, e o acesso se dá apenas via barco ou avião. Isso resulta no desabastecimento dos comércios locais, que já não tem itens da cesta básica à disposição dos clientes, como arroz, feijão, sal, açúcar, farinha e café. Valamatos destaca que, infelizmente, faltam equipamentos para prestar socorro de forma adequada, e muitas famílias acabam não sendo atendidas.

Os problemas não se resumem ao momento atual, de acordo com o pastor. Quando o nível do Madeira baixar, novos problemas surgirão para os moradores de comunidades ribeirinhas: “Quando as águas baixarem, vai ser uma calamidade. Agora, eles podem pegar uma canoa e fugir para a cidade ou para lugares altos. Só que as águas vão baixar e tudo vai começar do zero: sem casa, sem móveis, sem nada. O solo não vai estar mais próprio para agricultura e o ribeirinho vai ficar praticamente um ano sem produzir sua subsistência”, lamentou.

No dia 15 de março, a presidente Dilma Rousseff (PT) sobrevoou a região mais afetada pela cheia e afirmou que o assunto precisa ser discutido: “Estamos em um momento de fenômenos naturais bem sérios no Brasil. Vamos discuti-los sim”, afirmou, sem anunciar nenhuma medida imediata para amenizar o sofrimento dos rondonienses.

Valamantos lembra que questões de higiene também precisam ser observadas, para evitar a proliferação de doenças: “Estamos preocupados com a cólera. Embora ainda não tenham sido registrados casos, pessoas estão doentes e sem acesso total à higiene ou a cuidados”, disse o pastor em entrevista ao Jornal do Brasil.

Embora o quadro seja desolador e as autoridades demonstrem serem incapazes de administrar a crise, o pastor se mantém firme no seu trabalho social e diz acreditar que a situação mudará: “É preciso ter fé”.

Por Tiago Chagas | Fonte:Gospel+