Arquivos do Blog

Deputado evangélico apresenta projeto de lei para proibir a marca da besta no Brasil e impedir a implantação da “satânica Nova Ordem Mundial”

O deputado federal missionário José Olímpio (PP-SP), da Igreja Mundial do Poder de Deus, apresentou um projeto de lei que visa impedir o surgimento de uma “satânica Nova Ordem Mundial”.

O controverso projeto de lei foi apresentado na Câmara dos Deputados na última quarta-feira, 14 de maio, sob o argumento de que o Poder Legislativo deve se antecipar à possibilidade do “fim do mundo”, proibindo que a “marca da besta” seja concretizada com a implantação de chips nas pessoas.

“Tendo em conta que o fim dos tempos se aproxima, é preciso que o Parlamento brasileiro se antecipe aos futuros acontecimentos e resguarde, desde logo, a liberdade constitucional de locomoção dos cidadãos”, argumentou o missionário.

Segundo Olímpio, é urgente que “se proíba a implantação em seres humanos de chips ou quaisquer outros dispositivos móveis que permitam o rastreamento dos cidadãos e facilitem que sejam as pessoas alvo fácil de perseguição e toda sorte de atentados”.

O projeto, identificado na Câmara como PL 7561/2014, diz ainda que os argumentos de que os chips são desenvolvidos pensando na segurança das pessoas são falsos. “O povo brasileiro não deve se iludir com tais artifícios, que escondem uma verdade nua e cruel: há um grupo de pessoas que busca monitorar e rastrear cada passo de cada ser humano, a fim de que uma satânica Nova Ordem Mundial seja implantada”, escreveu o deputado.

Por fim, o missionário alerta para as profecias apocalípticas: “A Bíblia Sagrada, no livro de Apocalipse, capítulo 13, versículos 16 e 17, diz o seguinte: ‘16 – E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, 17 – Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome’”.

Fonte:Gospel+

Anúncios

Em série de sermões sobre o Apocalipse, pastor fala sobre a marca da besta e o anticristo: “A vil personificação do pecado e rebelião”

Numa série de mensagens sobre o apocalipse, o pastor Greg Laurie, da megaigreja Colheita, em Riverside, Califórnia, afirmou que “nós nunca estivemos tão perto do fim do mundo como agora”.

Ele destaca que as profecias relatadas no livro não se tratam apenas do fim, mas principalmente do início de uma nova fase: “No entanto, é importante saber que a Bíblia também fala sobre um novo começo em que não haverá perversão, terrorismo, guerra ou fome… Não haverá problema de qualquer espécie. Como Isaías 11:9 diz, o conhecimento do Senhor encherá a terra. Mas irá piorar antes de melhorar”.

Citando o conteúdo de Apocalipse 13:15-18, o pastor afirmou em seu sermão que “se você buscar o número 666 no Google, você vai receber 543 milhões de resultados”, e que as muitas interpretações sobre o que esse texto significa são normais: “Provavelmente, você vai encontrar 543 milhões de ideias sobre o que ele realmente significa. Eu não acho que qualquer um possa responder isso com certeza absoluta, mas isso é tudo que sei: o anticristo vai introduzir uma sociedade sem dinheiro. O final deste jogo é fazer as pessoas envolverem-se em adoração ao diabo”.

Segundo Laurie, a profecia do livro é das mais marcantes e seu conteúdo é provado diariamente na contemporaneidade: “O fato de que as palavras do Apocalipse 13 foram escritas na era de madeira, pedras, espadas e espírito, faz desta profecia uma das poderosas provas da natureza inspiradora e confiável da palavra de Deus que alguém pudesse ter imaginado. Quem poderia prever um sistema de um mundo econômico que controla todo o comércio, senão Deus?”, questiona o pastor.

Segundo ele, as ações implantadas pelo anticristo serão a tônica de seu governo: “A política econômica do anticristo será muito simples. ‘Pegue a minha marca e me adore, ou morra de fome’. Sem marca, sem mercadoria, sem selo, sem venda”, sugere o pastor, que ressaltou no sermão que “a capacidade técnica de executar isso existe”, de acordo com o Christian Post.

Sobre o anticristo, o pastor tem uma postura incomum a respeito do tema. Para ele, tudo que é bem-sucedido, é copiado. “Satanás é o imitador final”, introduziu. “Ele tem essa imitação barata de todas as coisas que são verdadeiras. Temos verdadeiros cristãos, e satanás tem pessoas que fingem ser crentes, mas eles não são. Da mesma forma, temos verdadeiros milagres, e satanás tem imitações falsas de milagres”.

O conceito de imitação serve para explicar a ideia de Greg Laurie em torno do anticristo: “Deus tem o Seu filho. Seu nome é Jesus e um dia, satanás terá seu filho, não exatamente na forma como o filho de Deus veio, porque Jesus é Deus encarnado. Mas de certa forma, satanás terá sua versão, sua imitação de Jesus… Nós temos Jesus Cristo, e satanás terá o anticristo”.

Para o pastor Greg Laurie, o anticristo será a “vil personificação da história do pecado e rebelião”, mas não terá aparência sombria: “Não vai estar vestido de preto, de cima para baixo ou ostentar uma marca visível de 666, disse ele. Pelo contrário, o anticristo será suave, inteligente, envolvente e carismático. Ele vai fazer o que nenhum outro homem foi capaz de fazer. Haverá paz global. Ele vai resolver o quebra-cabeça de paz no Médio Oriente. Ele irá livrar o mundo do terrorismo, e será saudado como o maior pacificador. Mas por trás isso vai ser um super-homem satânico, o homem mais mal que já andou na terra”.

Fonte: Gospel+

Mais perto do 666? Europa se prepara para abolir o dinheiro

Em muitos países europeus, os cartões de débito e crédito e as transferências online já substituíram o dinheiro em espécie. Na Suécia, o debate é sobre quando será extinta a necessidade de se carregar dinheiro.

Um dos benefícios apontados é reduzir a delinquência, em especial os assaltos. “Se pudermos reduzir a quantidade de dinheiro que circula nos bancos e na sociedade, também reduziremos os roubos”, afirmou Marie Look, do sindicato dos bancários. “Quando abandonarmos totalmente o dinheiro, não haverá mais roubos, porque não fará sentido assaltar um banco que não tenha nada para ser levado”.

Desde 2010 há uma campanha pelo fim do dinheiro no país que conta, inclusive, com o apoio de famosos, como o ex-membro do grupo Abba, Bjorn Ulvaeus. Ele disse:  “Não há razão prática clara, até onde eu possa ver, para continuar usando notas e moedas. O que existe são óbvias vantagens de se desfazer delas. A Suécia poderia ser o primeiro país do mundo a adotar essa medida”.

A Suécia, curiosamente, foi o primeiro país europeu a introduzir as notas guardadas em bancos, em 1661. Agora pode liderar a Europa para se livrar-se delas. Sendo um país que convive com a alta tecnologia, em breve o dinheiro digital deve ser uma realidade.

Na maioria das cidades suecas, os ônibus já não aceitam dinheiro. Os passes são pré-pagos ou adquiridos com uma mensagem de texto de telefone celular. Um número crescente de empresas só aceitam cartões, e algumas agências bancárias só fazem transações eletrônicas.

O declínio no uso do dinheiro é perceptível até mesmo nos templos religiosos, como na Igreja de Karlshamn, sul da Suécia. O pastor Johan Tyrberg recentemente instalou um leitor de cartões para tornar mais fácil a vida dos fiéis que desejam fazer oferendas.

“As pessoas vinham até mim muitas vezes e diziam que não tinham dinheiro, mas ainda assim  gostariam de doar”, diz Tyrberg.

Cédulas e moedas representam apenas 3% da economia da Suécia, em comparação com uma média de 9% nos países da zona do Euro e de 7% nos EUA, de acordo com o Banco de Compensações Internacionais, organização que reúne os bancos centrais do mundo.

A prevalência de transações eletrônicas – e o rastro digital que geram – pode ser um problema para muitos por violar a “privacidade” das transações em dinheiro vivo.

Oscar Swartz, fundador do maior provedor de Internet da Suécia, Banhof, diz que uma economia totalmente digital sempre deixará um “rastro” dessas transações. Ele apoia a ideia de acabar com o dinheiro, mas ressalta: “A pessoa deve ser capaz de gastar seu dinheiro sem ser rastreado o tempo todo”, diz ele.

Um passo importante foi dado pela empresa sueca iZettel, que  desenvolveu um sistema onde qualquer telefone celular do tipo smartphone funcione como uma “carteira virtual”. Os maiores bancos da Suécia devem lançar ainda este ano seu próprio sistema, que permite aos clientes transferir dinheiro em tempo real usando seus telefones.

A maioria dos especialistas acredita que o dinheiro da forma como conhecemos dentro em  breve poderá ser um artigo raro na Europa, um produto em verdadeiro “perigo de extinção”.

Os especialistas em profecias há muito indicam que o cumprimento de Apocalipse 13:16 viria pela substituição do dinheiro por um sistema eletrônico, entendido assim: “A todos, os pequenos e os grandes e os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte (testa), para que ninguém possa comprar ou vender, se não aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome”.

Com informações CBS News

Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/mais-perto-do-666-europa-se-prepara-para-abolir-o-dinheiro/#ixzz1pxKRvH1h